De forma simplista, há duas maneiras de agir em relação à manutenção industrial de máquinas e equipamentos. A primeira delas é intervir antes que um problema aconteça, a chamada manutenção preventiva. A outra, que não dá qualquer chance de programação, é a corretiva. Com o desgaste natural de peças em função do tempo de operação, você vai fatalmente se deparar com uma parada para reparos. As questões que precisam ser respondidas, neste caso, são qual a forma escolhida e como isso vai impactar na sua produção.

 

Manutenção Preventiva

Feita a partir de uma programação que considera o tempo de vida útil das peças com base no volume de produção de cada equipamento. A manutenção industrial preventiva pode ser programada para acontecer a cada semana, mês ou mesmo de forma anual. Tudo depende da função e da quantidade de máquinas que você possui para executar aquela tarefa.

A ideia é que essa forma de manutenção possa evitar que a máquina pare abruptamente e cause prejuízos à produção e, consequentemente, à sua lucratividade. Lubrificações periódicas, revisões sistemáticas das máquinas, programas de calibração e de aferição de cada instrumento e de equipamentos são tarefas que se enquadram nesta atividade, assim como seguir as recomendações específicas do fabricante.

Há, contudo, o fator do “imponderável”. Mesmo diante da elaboração de um plano de ação que se baseie por estatísticas, sempre há a possibilidade de uma alteração na matéria-prima que originou as peças de uma máquina, o que pode prolongar o tempo de vida útil ou, o que é mais temido, antecipar essa durabilidade e provocar uma quebra repentina.

 

Preditiva e Detectiva

Por isso, a manutenção industrial preventiva pode ser reforçada por um processo preditivo ou detectivo que estabeleça um acompanhamento do que acontece com o seu equipamento. E nisso a automação de seus equipamentos pode ajudar muito. Logo vamos tratar de forma mais aprofundada sobre isso.

Por ora, vale destacar que a manutenção preditiva faz parte de uma ação preventiva. Ela se baseia no estado dos equipamentos, com acompanhamento periódico das máquinas. Entre os objetivos está evitar a desmontagem desnecessária das peças.

A manutenção detectiva, por sua vez, está focada na segurança e na produtividade de seus equipamentos e suas instalações. Há muita similaridade com as funções da preditiva, mas agora a intenção é localizar possíveis indícios ocultos que possam levar a um dano na máquina. Para exemplificar podemos dizer que testes com válvulas de todos os tipos, malhas de controle de dispositivos de segurança, inspeção de fornos e caldeira, relés de proteção e equipamentos elétricos fazem parte desse tipo de ação.

As vantagens da manutenção industrial preventiva, de um modo geral, são o aumento da vida útil dos equipamentos, a melhoria da segurança dos trabalhadores, o controle dos materiais e a diminuição dos custos provocados por reparos.

 

Manutenção Corretiva

Mas nem sempre é possível detectar os problemas antes que eles aconteçam, seja por falta de informação, pela impossibilidade de parar uma máquina para ações preventivas, por mais que se saiba que este tipo de ação represente um nível de perda de produção inferior ao causado por uma eventual quebra, ou mesmo por opção administrativa.

Quando o problema acontece, porém, o jeito é partir para a manutenção industrial corretiva e contar com uma empresa de confiança, de preferência especializada em seu equipamento e com todas as condições de realizar o reparo em curto prazo e com qualidade.

Como a manutenção corretiva se dá quando existe desgaste ou falha nos equipamentos, ela envolve a substituição de peças e componentes afetados. A intenção é, corrigindo e restaurando, restabelecer a capacidade produtiva do equipamento ou de uma instalação que, porventura, tenha sofrido algum tipo de avaria.

Vale destacar que o modelo de manutenção corretiva é o que possui custo mais elevado por alguns fatores, como o tempo que o equipamento permanecerá parado, o alto custo para manter estoques de peças sobressalentes e a reduzida disponibilidade de produção.

 

Planeje sua manutenção industrial

Ao avaliar o melhor caminho a seguir quando o assunto é manutenção industrial, você pode levar em consideração vários fatores. Entre eles, sua atual capacidade produtiva, a importância de seu equipamento e como redirecionar suas atividades se, eventualmente, ficar sem sua máquina.

Além disso, é preciso considerar a segurança e o rendimento de seus colaboradores com o manuseio de equipamentos defeituosos. Feito isso é preciso avaliar as consequências de uma parada certa para manutenção preventiva ou de simplesmente não parar e conviver com o risco de uma eventual quebra e, quase sempre, de uma inatividade maior daquela máquina.

 

Manutenção